ÚLTIMAS NOTÍCIAS

1/1

AstraZeneca: efeitos colaterais na segunda dose são menores e "não são nada se comparados à doença"


Uma parcela das pessoas que tomaram a primeira dose da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 classificou as reações como desconfortáveis. Febre, calafrios e dor no corpo e de cabeça foram alguns dos sintomas relatados. Mas e a segunda dose? Ela também vai provocar os mesmos efeitos adversos? O portal de notícias G1 consultou alguns especialistas e eles explicaram que essas reações não devem se repetir.


"A AstraZeneca tem um percentual maior de reações leves e moderadas na primeira dose e isso cai bastante na segunda. Na primeira dose, as pessoas relatam dor no local e isso é comum, passa com 24h, 48h. E tem também quem não tem reação alguma. Consideramos isso como efeitos adversos leves, sem muitas consequências. Apesar das reações, é importante tomar a vacina”, diz o presidente do comitê científico da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI), João Viola.


A bula da AstraZeneca também reforça que os efeitos colaterais são menores na segunda aplicação. O fabricante explica que "a vacina pode causar efeitos colaterais, apesar de nem todas as pessoas os apresentarem. Menos efeitos colaterais foram relatados após a segunda dose".


Mas por que as reações adversas são menores na 2ª dose?


Isso tem relação com a tecnologia da vacina da AstraZeneca: a de vetor viral.


A vacina é feita com o vírus ativo, mas ele não é capaz de causar a doença porque ele é modificado. Entretanto, por estar ativo, ele induz uma reação imunológica muito forte e parte dessa reação é a inflamação.


"A vacina induz no nosso organismo um treinamento muito específico e intenso. Da primeira vez que recebemos esse treinamento, é como se tivéssemos uma infecção, o nosso corpo pensa que está sendo infectado, mas não está. Nossa resposta para a infecção na primeira vez é muito intensa", explica o cientista Oscar Bruna-Romero, professor de doenças infecciosas e vacinas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).


"Na segunda dose, o corpo já treinou o sistema imunológico para responder à ‘infecção’ de uma forma suficiente, não excessiva”, completa o cientista.


Ele reforça que, caso a pessoa sinta algum efeito adverso também na segunda dose, ela pode tomar um analgésico, assim como da primeira vez. "Esse efeito posso ser contornável com um paracetamol ou dipirona."

Não tive nenhuma reação. Devo me preocupar?


Não. Segundo o cientista da UFSC, não ter reação pode significar muitas coisas, mas em nenhum caso quer dizer que você não foi vacinado.


"Você pode ter recebido a vacina e seu corpo interpretar aquilo como uma infecção que ele já viu no passado, que já conhece. Isso porque o veículo da vacina AstraZeneca (adenovírus) é um vírus que circula normalmente. Então, a resposta que ele gera não precisa de uma resposta intensa e exacerbada", explica.


Bruna-Romero diz que ter ou não reação a uma vacina é normal. "As reações às vacinas sempre existiram. Não é a primeira e nem a última vez que teremos alguma reação. Não ter reação também é normal. Cada ser humano tem uma reação diferente."


Se a eficácia já é alta com uma dose, por que devo tomar a segunda?

Uma dose da vacina da AstraZeneca já tem uma eficácia de 76%. Entretanto, mesmo com uma eficácia alta, é preciso completar a vacinação com a segunda dose.


"A resposta contra a doença vai se consolidar (e durar mais tempo) com a segunda dose. Já temos uma proteção muito importante com a primeira, mas é a segunda aplicação que vai fornecer a eficácia total", explica Viola.


Cada vez que recebemos a imunização, estamos treinando o organismo. "Você precisa relembrar o corpo que a resposta precisa ser melhor formada. No caso da AstraZeneca, essa lembrança é a memória imunológica e só é gerada pelo organismo quando vê o patógeno por duas vezes", completa Bruna-Romero.


Fonte: G1

VEJA TAMBÉM