ÚLTIMAS NOTÍCIAS

1/1

Projeto vai apoiar pecuária familiar no Rio Grande do Sul


A Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag-RS) e a Embrapa Pecuária Sul, de Bagé, anunciaram a intenção de criar um programa conjunto para valorizar a pecuária familiar gaúcha. O objetivo da iniciativa é disseminar as informações produzidas em pesquisas da Embrapa aos associados dos Sindicatos de Trabalhadores Rurais filiados à Fetag, por meio dos seus técnicos.


O foco do programa será a otimização e o melhoramento da produção de pastagens, componente importante e barato da alimentação bovina e que existe em abundância no bioma Pampa. A partir da consolidação, a ideia será promover a certificação de produtos, como carne, leite e derivados, obtidos a partir dessa pecuária diferenciada.


Até final de abril, a Fetag deve entregar à Embrapa um plano de cooperação técnica no qual serão detalhadas as ações e apontadas as áreas que poderá executar cada uma delas.

Inicialmente, o projeto terá uma fase experimental, para a qual ainda não foi definido um número de produtores participantes. Para o futuro, a ideia é que todos os associados sejam contemplados.


Hoje, há muitas famílias que estão largando a pecuária familiar para cultivar grãos, por estarem mais rentáveis que a carne e o leite”, observa o vice-presidente da federação, Eugênio Zanetti. “Isso é problemático porque os pecuaristas familiares são responsáveis por boa parte da produção de terneiros, ou seja, pela reposição do sistema de produção”, concorda o chefe-geral da Embrapa Pecuária Sul, Fernando Cardoso. “O projeto será uma forma de manter os produtores na atividade, garantindo mais renda, além de preservar o meio ambiente”, prevê.


De acordo com o presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, “valorizar a pecuária, principalmente a familiar, é fundamental em um momento em que a soja está tomando espaços que eram da criação de animais”.


O rebanho bovino estadual é estimado em 13 milhões de cabeças, com 25% delas criadas por agropecuaristas familiares.


Fonte: Correio do Povo

VEJA TAMBÉM