ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Polícia investiga jovem que foi vacinado no lugar de idoso morto em asilo de Passo Fundo


Créditos: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul investiga caso de adolescente vacinado contra a Covid-19 em um asilo em Passo Fundo. A possível fraude foi identificada pela prefeitura do município passo-fundense, por meio de um cruzamento de dados. Conforme o poder municipal, no momento da aplicação das doses um Residencial Geriátrico forneceu a Vigilância em Saúde o CPF de um idoso que já morreu.


A gravidade da situação ficou ainda maior porque a Polícia descobriu que a pessoa vacinada foi um adolescente de 12 anos. Menores de idade não estão incluídos no Plano Nacional de Vacinação dos imunizantes contra a Covid-19, porque não foram realizados testes neste público.


"Todo fato está sendo investigado. Pode ter sido falta por conta do asilo, do adolescente e do serviço público", explicou o delegado Venicios Demartini responsável pelo caso.


Em nota, a instituição de longa permanência para idosos (ILPI), alegou que o nome do menino foi incluído na lista enviada para a Secretaria Municipal de Saúde, porque ele é residente do local. Ainda de acordo com o documento, não houve nenhuma simulação por parte do jovem, que usava uniforme igual aos dos colaboradores no momento da imunização e, portanto, ele não recebeu a vacina direcionada ao idoso.


A nota completa: "Quanto a constar o nome do idoso já falecido, cumpre informar que quando do envio da lista a Secretaria de saúde do Município de Passo Fundo, na data de 15.01.2021, o idoso fazia parte do quadro de residentes, vindo a falecer na data de 21.01.2021, portanto, após o envio da referida lista e ainda foi confirmado pela equipe de saúde a sobra de "3" (três) doses destinadas ao residencial". A utilização do CPF errado teria ocorrido por um erro gráfico, mas sem intenção.


Já a Prefeitura de Passo Fundo disse que vai aguardar o resultado da apuração policial, para se posicionar sobre o fato de um servidor da administração pública ter dado a vacina em uma pessoa com menos de 18 anos. Conforme a Secretaria Estadual de Saúde, o risco de evento é raríssimo, porque se conhece o tipo de imunizante, mas o profissional não poderia ter aplicado.


O delegado investiga crimes contra a saúde pública, contra a administração, falsidade ideológica e estelionato.


Fonte: CNN Brasil

VEJA TAMBÉM

1212.png
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone Spotify

Radio Sideral Ltda. © Copyright 2020. Desenvolvido por Produuza Web