ÚLTIMAS NOTÍCIAS

1/1

Depois de quase duas semanas fora do ar, plataforma ConecteSUS volta a funcionar


Com um sistema que emite o certificado nacional de vacinação contra covid, a plataforma ConecteSUS voltou a voltar a funcionar nesta quinta-feira (23), após permanecer 13 dias fora do ar devido a um ataque hacker ao site do Ministério da Saúde, responsável pela página. Até a final da noite, porém, o endereço virtual conectesus.saude.gov.br apresentava oscilações.


O problema também causou defasagem no que se refere ao avanço da cobertura da campanha de imunização em diversos Estados. É o caso Rio Grande do Sul, que permanece com atraso desde o dia 10 de dezembro, dia do incidente cibernético.


Já o aplicativo “e-SUS Notifica”, que reúne informações sobre casos e mortes por causa do coronavírus, estava inacessível havia 11 dias, mas voltou ao ar na tarde da última terça-feira (21), de acordo com o Ministério da Saúde.


Quando as plataformas do Ministério da Saúde foram invadidas, ficaram fora do ar e os visitantes eram recebidos com uma mensagem dos criminosos digitais, avisando que as informações haviam sido copiadas e excluídas.


A autoria do ataque foi assumida por “Lapsus$ Group”. Em mensagem postada no próprio site do Ministério, o grupo avisou: “Nos contatem caso queiram o retorno dos dados”.


No dia do ataque, o ministério informou que o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e a Polícia Federal (PF) foram acionados para apoiar as investigações sobre o caso – que prosseguem. Os dados foram recuperados dias depois, mas o pleno restabelecimentos dos serviços demorou quase duas semanas.


Outras tentativas


A situação caótica poderia ter se agravado no final de semana de 11 e 12 de dezembro, por causa de novas investidas por parte de hackers. Dessa vez, entretanto, especialistas do Ministério da Defesa entraram em ação, frustrando os planos dos ciberterroristas.


Além disso, criminosos virtuais se aproveitaram do contexto para aplicar golpes que utilizavam como chamariz o certificado de vacinação. O Ministério da Saúde reiterou, na ocasião, os alertas de que não envia esse tipo de documento por e-mail.


“Mais Médicos”


O incidente também comprometeu iniciativas federais na área da saúde como o “Mais Médicos”. Ainda nesta semana, profissionais recém-formados não conseguiam se cadastrar no edital de convocação do programa.


Eles tentavam, sem sucesso, homologar as suas inscrições no 24º ciclo do projeto, mas o sistema do Ministério não finalizava o processo. Como o prazo para inscrição termina nesta semana, é possível que o problema afete candidatos e municípios contemplados.


O “Mais Médicos” foi criado em 2013, durante a primeira gestão da presidente Dilma Rousseff. Após tomar posse no comando do Executivo, Jair Bolsonaro prometeu extinguir a iniciativa para colocar em prática o “Médicos Pelo Brasil”, o que acabou não se concretizando até hoje.


Fonte: O Sul

VEJA TAMBÉM