ÚLTIMAS NOTÍCIAS

1/1

Com venda da Oi, clientes getulienses e da região migrarão para a TIM


O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira (9), com restrições, a compra da Oi Móvel pelo consórcio formado por Claro, Vivo e TIM. O aval foi condicionado ao cumprimento de um pacote de medidas negociado com as operadoras, que incluem o aluguel de uma parcela do espectro - faixas de ar por onde passam os dados da comunicação - adquirido no negócio.


Os cerca de 42 milhões de clientes atuais da Oi serão divididos às concorrentes da seguinte forma:


TIM: 14,5 milhões de clientes e 29 DDDs:

  • 11, 16, 19, 21, 22, 24, 32, 51, 53, 54, 55, 61, 62, 63, 64, 65, 66, 67, 68, 69, 73, 75, 89, 93, 94, 95, 96, 97 e 99

Claro: 11,7 milhões de clientes e 27 DDDs:

  • 13, 14, 15, 17, 18, 27, 28, 31, 33, 34, 35, 37, 38, 43, 44, 45, 46, 47, 48, 49, 71, 74, 77, 79, 87, 91 e 92

Vivo: 10,5 milhões de clientes e 11 DDDs:

  • 12, 41, 42, 81, 82, 83, 84, 85, 86, 88 e 98

Na decisão sobre a operação, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) determinou que as teles apresentem o passo a passo de como será a transferência para TIM, Claro e Vivo.


Além disso, a agência determinou que seja repassado ao consumidor o direito da portabilidade, a ausência de cobrança em virtude de quebra de fidelização dos contratos dos usuários de telefonia móvel ou combo da Oi, bem como canais para dúvidas.


Julgamento no Cade


O julgamento no Cade foi marcado pela divisão do conselho e terminou empatado com três votos a favor e três contra. Tudo foi decidido, então, pelo voto de Minerva do presidente do órgão antitruste, Alexandre Cordeiro.


O relator do processo, Luis Braido, pediu a reprovação do negócio e foi acompanhado por outros dois conselheiros - Paula Azevedo e Sérgio Ravagnani. Os conselheiros Lenisa Prado e Luiz Hoffman votaram pela aprovação, assim como o presidente.


Os conselheiros favoráveis entenderam que o pacote de exigências acordado com as empresas é suficiente para manter a concorrência. Os termos do acordo são sigilosos, mas, segundo o Estadão apurou, incluem o aluguel de 10% a 15% do espectro adquirido da Oi, por exemplo.


As operadoras concordaram em vender metade das antenas e equipamentos, mais do que os 30% a que haviam se comprometido antes com a Superintendência-Geral do órgão. As empresas também vão alugar uma faixa de 900 Mhz, usada em locais de menor densidade populacional, como áreas rurais.


Divergências


Em meio à pressão das empresas e de representantes do governo, o relator chegou a dizer que as negociações "fugiram da boa técnica" e passaram pela "captura do Estado". Em um duro voto, Braido criticou os termos do acordo e disse que isso impedirá a entrada de novos concorrentes nesse mercado. "Na boa análise antitruste, não há alternativas senão reprovar compra da Oi", defendeu.


Ele disse ainda que a acusação feita pelo Ministério Público Federal (MPF) junto ao Cade de que teria havido conluio no negócio porque as empresas formaram um consórcio para comprar a Oi é "muito grave", e encaminhou à área técnica pedido de instauração de um processo para aprofundar as investigações.


Na mesma linha, a conselheira Paula Azevedo refutou o argumento de que, caso reprovasse o negócio, o Cade seria responsável pela quebra da Oi e prejudicaria o mercado de telecomunicações. "Operações privadas, ainda que impactem no domínio público, não podem se sobrepor às atribuições dessa autarquia, que é garantir a concorrência", afirmou.


Lenisa Prado, que votou pela aprovação, discordou.

"No caso da não conclusão da operação, os ativos vão sair do mercado, prejudicando competição e consumidores."

Presidente do Cade vê tendência de concentração


Responsável por desempatar o julgamento, o presidente do Cade, Alexandre Cordeiro, disse que o caso da Oi Móvel foi um dos processos mais difíceis para o órgão antitruste nos últimos anos.

"Tem mercado que funciona melhor com uma quantidade menor de players. Neste setor, temos tendência de concentração em todo o mundo", disse.

Os representantes das empresas disseram que os "remédios" são suficientes para sanar preocupações concorrenciais.

"Trata-se do maior remédio já oferecido no setor de telecomunicações desde a privatização (da Telebras)", disse o advogado da Vivo, Marcos Paulo Veríssimo.

A advogada da Claro, Barbara Rosenberg, disse que o pacote oferecido é "extremamente robusto".


Fonte: GaúchaZH

VEJA TAMBÉM