ÚLTIMAS NOTÍCIAS

1/1

Câncer: estudo experimental surpreende com remissão da doença em todos os pacientes

Foi um estudo pequeno, com apenas 18 pacientes com câncer colorretal, e cada um tomou o mesmo medicamento. Mas os resultados foram surpreendentes. O câncer desapareceu em cada um dos pacientes - indetectável pelo exame físico; endoscopia; tomografia por emissão de pósitrons ou PET scans; ou ressonâncias magnéticas.


Luis Diaz Jr., do Memorial Sloan Kettering Cancer Center, autor de um artigo que descreve os resultados, que foram patrocinados pela empresa farmacêutica GlaxoSmithKline, disse que não conhecia nenhum outro estudo em que um tratamento tivesse uma remissão completa do câncer em todos os pacientes.

Acredito que esta é a primeira vez que isso acontece na história do câncer - disse Diaz.

Alan Venook, especialista em câncer da Universidade da Califórnia, que não estave envolvido com o estudo, também acha que os resultados são inéditos.


Os pacientes com câncer colorretal enfrentaram tratamentos como quimioterapia, radioterapia e, muito provavelmente, cirurgias que poderiam resultar em disfunção intestinal, urinária e sexual. Alguns precisariam de bolsas de colostomia. Eles entraram no estudo pensando que, quando terminasse, teriam que passar por esses procedimentos porque ninguém esperava realmente que seus tumores desaparecessem. Mas eles tiveram uma surpresa: nenhum tratamento adicional foi necessário.


“Foram muitas lágrimas de felicidade”, disse Andrea Cercek, oncologista do Memorial Sloan Kettering Cancer Center e co-autora do artigo, apresentado na reunião anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica.


Outra surpresa, acrescentou Venook, foi que nenhum dos pacientes teve complicações clinicamente significativas. Em média, 1 em cada 5 pacientes tem algum tipo de reação adversa a medicamentos como o que os pacientes tomaram, o dostarlimab, conhecido como inibidor de checkpoint. A medicação foi dada a cada três semanas durante seis meses e custou cerca de US$ 11.000 por dose. Ele 'desmascara' células cancerígenas, permitindo que o sistema imunológico as identifique e as destrua.


Embora a maioria das reações adversas seja facilmente controlada, cerca de 3% a 5% dos pacientes que tomam esse tipo de medicamento apresentam complicações mais graves que, em alguns casos, resultam em fraqueza muscular e dificuldade para engolir e mastigar. A ausência de efeitos colaterais significativos, disse Venook, significa que “ou eles não trataram pacientes suficientes ou, de alguma forma, esses cânceres são simplesmente diferentes”.


Hanna K. Sanoff do Lineberger Comprehensive Cancer Center da Universidade da Carolina do Norte, que não estave envolvida no estudo, o considera “pequeno, mas atraente”. Ela acrescentou, porém, que não está claro se os pacientes estão curados. “Muito pouco se sabe sobre a duração do tempo necessário para descobrir se uma resposta clínica completa ao dostarlimab equivale à cura”, disse.


Kimmie Ng, especialista em câncer da Escola de Medicina de Harvard, disse que, embora os resultados fossem “notáveis” e “sem precedentes”, eles precisariam ser replicados.


Origem do estudo

A inspiração para o estudo veio de um ensaio clínico que Diaz liderou em 2017, financiado pela farmacêutica Merck, envolvendo 86 pessoas com metástase (câncer que se originou em várias partes de seus corpos). Todos os cânceres compartilhavam uma mutação genética que impedia as células de reparar danos no DNA. Essas mutações ocorrem em 4% de todos os pacientes com câncer.


Os pacientes nesse estudo tomaram um inibidor de checkpoint da Merck, pembrolizumab, por até dois anos. Os tumores encolheram ou estabilizaram em cerca de um terço a metade dos pacientes, e eles viveram mais. Os tumores desapareceram em 10% dos participantes do estudo. Isso levou Cercek e Diaz a perguntar: o que aconteceria se a droga fosse usada muito mais cedo no curso da doença, antes do câncer ter a chance de se espalhar?


Eles estabeleceram um estudo de pacientes com câncer colorretal localmente avançado– tumores que se espalharam no reto e às vezes para os gânglios linfáticos, mas não para outros órgãos. Cercek havia notado que a quimioterapia não estava ajudando uma parte dos pacientes que tinham as mesmas mutações que afetaram os pacientes no estudo de 2017. Em vez de encolher durante o tratamento, seus tumores retais cresceram. Talvez, Cercek e Diaz raciocinaram, a imunoterapia com um inibidor de checkpoint permitiria a esses pacientes evitar quimioterapia, radioterapia e cirurgia.


Diaz começou a perguntar às empresas que fabricavam inibidores de checkpoint se patrocinariam um pequeno estudo. A maioria recusou, dizendo que o teste era muito arriscado. Ele e Cercek queriam dar a droga a pacientes que poderiam ser curados com tratamentos padrão. O que os pesquisadores estavam propondo poderia acabar permitindo que os cânceres crescessem além do ponto em que podem ser curados. “É muito difícil alterar o padrão de tratamento”, disse Diaz. “Todos querem fazer cirurgia.”


Finalmente, uma pequena empresa de biotecnologia, a Tesaro - comprada pela GlaxoSmithKline -, concordou em patrocinar o estudo.


Seu primeiro paciente foi Sascha Roth, então com 38 anos. Ela notou um sangramento retal pela primeira vez em 2018, e estava programada para começar a quimioterapia na Universidade de Georgetown, mas um amigo insistiu que ela visse primeiro o Dr. Paty no Memorial Sloan Kettering. Paty disse a ela que estava quase certo seu câncer incluía a mutação que tornava improvável que respondesse bem à quimioterapia. Descobriu-se, porém, que Roth era elegível para entrar no ensaio clínico. Se ela tivesse começado a quimioterapia, ela não seria.


Não esperando uma resposta completa ao dostarlimab, Roth havia planejado se mudar para Nova York para radioterapia, quimioterapia e possivelmente cirurgia após o término do teste. Para preservar sua fertilidade após o tratamento de radiação esperado, ela teve seus ovários removidos e colocados de volta sob as costelas.


Após o julgamento, Cercek deu-lhe a notícia: “Não há absolutamente nenhum câncer." Ela não precisou de mais nenhum tratamento. "Eu disse a minha família e eles não acreditaram em mim", conta Roth. Mas dois anos depois, ela ainda não tem nenhum traço de câncer.


Fonte: O Estado de S. Paulo

VEJA TAMBÉM