ÚLTIMAS NOTÍCIAS

1/1

Boletim epidemiológico informa mortalidade materna, infantil e fetal no RS

A Secretaria da Saúde (SES) lançou o Boletim Epidemiológico do Estado do Rio Grande do Sul de Mortalidade Materna, Infantil e Fetal 2022, com as ocorrências dos óbitos em 2020 e as parciais de 2021. Dirigido aos gestores e profissionais de saúde e à sociedade gaúcha, o documento apresenta a Razão da Mortalidade Materna (RMM), que é o principal indicador para avaliar a qualidade da assistência às mulheres durante o pré-natal, parto e nascimento. O boletim também traz a Taxa de Mortalidade Infantil (TMI), que estima o risco de um nascido vivo morrer antes de um ano de vida e os percentuais de investigação de três tipos de óbitos.


Em 2020, o Rio Grande do Sul atingiu uma RMM de 41,4 óbitos/100.000 nascidos vivos, valor mais alto desde 2015, e uma TMI de 8,62 óbitos/1.000 nascidos vivos, menor valor desde 2015.


Os principais pontos tratados no Boletim Epidemiológico de Mortalidade Materna, Infantil e Fetal 2022 são os seguintes:

  • O alto índice de mortes maternas por causas hemorrágicas;

  • O aumento do número de cesáreas no Estado;

  • Planejamento sexual e reprodutivo e a mortalidade materna;

  • Covid-19 e os impactos na mortalidade materna;

  • Taxas de Mortalidade Infantil por Região de Saúde;

  • Percentuais de investigações dos óbitos infantis e fetais por Coordenadoria Regional de Saúde;

  • Análise das principais causas de mortalidade infantil;

  • Estratégias do Rio Grande do Sul para a prevenção de novos óbitos infantis evitáveis.

O documento foi construído pelas áreas técnicas de Saúde da Criança e Saúde da Mulher, do Departamento de Atenção Primária e Políticas de Saúde(DAPPS) da SES/RS com o objetivo de divulgar esses dados e embasar o planejamento de ações de gestores municipais com vistas a reduzir os números de mortalidade materna, infantil e fetal no estado.

Fonte: Ascom SES

VEJA TAMBÉM