ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Área indígena em Água Santa registra mais de 70 conflitos em dois meses


Foto: Jacir Miorando / Divulgação

Emboscadas a tiros, brigas com facadas, pedradas e incêndios de casas viraram rotina entre grupos de índios radicados em Água Santa, a cerca de 50km de Getúlio Vargas, município de 4 mil habitantes.


As desavenças opõem dois grupos de caingangues da aldeia Carreteiro, uma área de 600 hectares. Um deles é liderado pelo cacique Getúlio Daniel e o outro por ex-aliados dele. O estopim foi ateado quando uma turma de dissidentes se rebelou.


A Polícia Federal (PF) investiga se a discórdia foi motivada por arrendamentos de terras e indicações de cargos nas escolas e postos de saúde próximos – que costumam ser uma prerrogativa do chefe indígena (Daniel).


As hostilidades duram dois meses e se agravaram quando Getúlio Daniel foi ferido com um tiro na perna, durante uma emboscada. Foi uma represália por ele ter mandado embora da aldeia 147 caingangues, dos cerca de 500 que habitam a área.


O grupo expulso acampou na área central de Água Santa, até conseguir abrigo no Clube Brasil de Veteranos, emprestado por agricultores brancos. O cacique diz que seus comandados são hostilizados quando vão fazer compras na cidade.


Ao todo aconteceram mais de 70 incidentes entre caingangues dentro e fora da aldeia nesses dois meses. Eles incluem três indígenas baleados, alguns outros esfaqueados e apedrejados. Três casas foram incendiadas e não há indicativo de que o conflito esteja por terminar. Há duas semanas, as estradas que levam à área caingangue foram bloqueadas com troncos e pedras por índios mascarados. Ainda continuam as barreiras, apesar dos apelos da prefeitura para que sejam desmanchadas.


"Eles acertam contas na cidade, à noite. Tivemos várias brigas sangrentas, a população está intranquila", descreve o prefeito de Água Santa, Jacir Miorando, que teve audiência por vídeo com a chefia nacional da Fundação Nacional do Índio (Funai).


A audiência teve participação do deputado Alceu Moreira (MDB-RS). Foram prometidas providências para breve.


Miorando relata que as desavenças entre os caingangues são crônicas e que inclusive o último cacique antes de Getúlio Daniel, chamado Valdir Nunes, perdeu o cargo em 2019 em uma manobra de outras lideranças, vivendo hoje na cidade. Mas naquela ocasião não houve conflito. A briga agora é entre Getúlio e os que assumiram o poder junto com ele.


A chefia da Funai situada em Passo Fundo confirma que a tensão é constante em Água Santa. O coordenador regional da fundação, Aécio Galiza Magalhães, ressalta que o Clube de Veteranos quer a desocupação dos indígenas do salão emprestado e ainda não há decisão sobre qual será o futuro dos dissidentes: voltar à aldeia Carreteiro ou irem embora para outra área indígena — algo que se repete com frequência na história caingangue.


A Polícia Federal abriu inquérito e já pediu à Justiça uma série de providências. Enquanto isso, a Brigada Militar aumentou o efetivo em Água Santa. O contingente habitual é de cinco PMs, que foi reforçado por outros quatro da Força Tática. O reforço ajudou a diminuir conflitos, mas eles não cessaram, sobretudo na área indígena, onde a BM não costuma entrar, porque é domínio federal.


Fonte: GaúchaZH

VEJA TAMBÉM

1212.png
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone Spotify

Radio Sideral Ltda. © Copyright 2020. Desenvolvido por Produuza Web